.:[Vistosetc.wordpress.com]:.


Em decisão unânime, Thales Schoedl é absolvido por legítima defesa
27, novembro, 2008, 9:51 am
Filed under: Geral

O Órgão Especial do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) absolveu nesta quarta-feira (26/11) por unanimidade o promotor Thales Ferri Schoedl, acusado de matar um rapaz e ferir outro na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, em 2004. Em quase três horas de julgamento, os desembargadores aceitaram a tese da defesa de que o crime teria ocorrido por legítima defesa.

O relator do processo, desembargador Barreto Fonseca, em seu voto, afirmou que apesar do número elevado disparos (12), o uso da arma foi necessário e não houve excesso. “Thales tentou fugir, avisou que estava armado, atirou para cima e para baixo e só atirou contra as vítimas quando estas pularam em cima dele”, disse o relator.

Para justificar a caracterização de legítima defesa, Fonseca citou o depoimento de uma testemunha que afirmou ter visto Felipe (a vítima sobrevivente), após já ter sido baleado, ainda ter forças para “dar um bote” em Schoedl para tentar roubar-lhe a arma. Para o relator, este fato afastaria um excesso do promotor ao exercer o seu direito de defender a própria vida.

O revisor, desembargador José Santana, ao acompanhar o voto do relator, ressaltou que, em decorrência do cargo, Schoedl possuía o porte legal de arma e que a sua utilização seria o único meio de defesa que o promotor poderia ter usado. Santana considerou que a disparidade de forças entre o acusado e as vítimas era tamanha que serve para afastar a acusação de excessos cometidos no momento de se defender.

Todos os demais desembargadores componentes do Órgão Especial que estavam presentes na sessão seguiram este entendimento.

Imprensa
Um dos desembargadores que pediram a palavra no momento de declarar o voto, Ivan Sartori, chegou a afirmar que os fatos veiculados pela imprensa estão distantes do que consta dos autos.

Mathias Coltro lembrou do caso Escola Base, afirmando que no caso de Schoedl também teria havido um pré-julgamento pela imprensa.

“A materialidade de fatos contida nos autos difere demais do noticiado pela imprensa. Ou ela (a imprensa) possui fontes não confiáveis, ou nós (a Justiça) não temos meios corretos de apurar os fatos. Eu prefiro acreditar na primeira”, afirmou o desembargador Boris Kauffmann, no momento em que declarou o seu voto.

Acusação
Após o relatório do processo, a acusação foi a primeira a se pronunciar. A Procuradoria, representada por Gilberto de Angelis, pretendeu afastar a tese de legítima defesa para o crime.

Para ele, a conduta de Schoedl, não foi isolada, pois nos autos constam relatos de outros episódios de brigas protagonizadas pelo promotor numa boate em que freqüentava portando a sua arma.

O procurador também sustentou que a conduta poderia ser classificada como mau uso de arma por autoridade. Ele considerou os disparos para cima e para baixo feitos por Schoedl como atos de provocação.

O advogado Pedro Lazarini, assistente de acusação, afirmou que o promotor era uma figura briguenta e que sempre estava embriagado nas festas das quais participava. “O local freqüentado por ele e pelas vítimas não era ameaçador. Ele poderia ter tido outra conduta”, disse.

Defesa
Para a defesa do promotor, as vítimas estavam procurando confusão e não Schoedl. O advogado Rodrigo Marzagão disse que os primeiros tiros foram para alertar as vítimas que não acreditaram que a arma de Schoedl fosse de verdade.

Para Marzagão, se Schoedl não tivesse atirado, certamente teria sido linchado, pois, “pensando que a arma era de espoleta, a multidão gritava: Mata! Mata!”.

O advogado sustentou que Schoedl teria advertido várias vezes e que a tragédia só acabou acontecendo por culpa da atitude das vítimas que menosprezaram o promotor.

Questão de ordem
No início do julgamento os desembargadores decidiram, por 12 votos a 11, que o promotor deveria ser julgado nesta quarta. A discussão sobre o adiamento ou não do julgamento foi levantada em questão de ordem pelo desembargador Maurício Vidigal. O Órgão Especial do TJ debateu se seria prudente aguardar uma decisão definitiva do Supremo sobre o vitaliciamento.

O advogado e assistente de acusação Pedro Lazarini pediu o adiamento do julgamento. Para ele, já que o caso demorou tanto para chegar a uma decisão seria recomendável esperar por uma sentença definitiva. Já a defesa de Schoedl pediu que o caso fosse julgado nesta quarta para encerrar o sofrimento do acusado e da família da vítima.

Privilégio de Foro
Com foro privilegiado, Schoedl foi julgado pelo TJ paulista. Graças a uma liminar do STF (Supremo Tribunal Federal), o promotor, investido no cargo, teve garantida a prerrogativa de ser julgado pelos 25 desembargadores que compõem o Órgão Especial. Sem o cargo, Schoedl perderia a prerrogativa e deveria se submeter ao Tribunal do Júri de Bertioga, comarca do local do crime. Caso a liminar seja cassada, Schoedl irá a júri popular.

Recursos
Após o fim da sessão, Pedro Lazarini considerou que Schoedl somente foi absolvido pelo fato de ser promotor e externou a sua indignação com a decisão, que chamou de controvertida, lembrando que a unanimidade aconteceu após uma diferença de apenas um voto na votação acerca da realização ou não do julgamento.

Lazarini se manifestou contrário às críticas feitas à imprensa por alguns dos magistrados e afirmou que a decisão reflete uma rejeição do Judiciário ao controle externo.

“Esta decisão dificulta os recursos e fortalece o STF. Para o Judiciário não interessa o controle externo, não interessa a imprensa. Mas o este controle está previsto na Constituição Federal”, disse Lazarini.

O assistente da acusação disse que irá recorrer ao STF e ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

O Ministério Público divulgou nota no final da tarde informando que está avaliando o cabimento de recursos contra a decisão.

Crime
Quando o crime ocorreu, Schoedl exercia a função de promotor de Justiça substituto, em Iguape (litoral de São Paulo), havia um ano e três meses.

Ele é acusado de matar a tiros Diego Mendes Modanez, 20 anos, e de ter ferido Felipe Siqueira Cunha de Souza, 21 anos, durante uma discussão, no dia 30 de dezembro de 2004, na Riviera de São Lourenço, em Bertioga, no litoral norte de São Paulo.

Na saída de um luau, as vítimas teriam mexido com a namorada de Schoedl. O promotor afirmou que foi cercado após uma discussão e que teria disparado contra o chão com o objetivo de dispersar os rapazes, que teriam imaginado que as balas eram de festim. Acuado, ele atirou na direção dos jovens. Preso logo depois do crime, o promotor alegou legítima defesa.

Diego Mendes, que era jogador de basquete, morreu. Felipe, hoje com 23 anos, foi internado em estado grave na época, mas passa bem. Ele vive com uma bala alojada no fígado. O promotor teria disparado um total de 12 tiros.

Fonte: Última Instância.

Anúncios

2 Comentários so far
Deixe um comentário

Prezados,
Apresento a Peticao CASO Thales Ferri Schoedl MPF SP, – http://www.scribd.com/doc/8517190/Peticao-CASO-Thales-Ferri-Schoedl-MPF-SP , onde estamos tentando provocar o Poder Constituído, que Responsabilize os Agressores Sobreviventes, uma vez que, Legítima Defesa, implica a REAÇÃO, de intensidade compatível, a AÇÃO original. Portanto, o grupo de rapazes, são os Responsáveis Primeiros pelo desfecho da situação, bem como, em princípio, cometeram algum crime. Tal, tem a preocupação de evidenciar, que O promotor e sua Namorada são as REAIS VÍTIMAS do episódio.

Por entender que vivemos um “CAOS JURÍDICO”, onde Decisões estão calcadas em presunçosos “ACHISMOS”, de tal forma, ser inquestionável a premissa base de um “PURO FAZER DE CONTAS”, apresento a Ratificacao de to Ao CNJ, – http://www.scribd.com/doc/8518939/Ratificacao-de-to-Ao-CNJ . onde estamos formalizando junto ao Excelentíssimo Ministro-Corregedor do Conselho nacional de Justiça, as prementes, necessárias, quiça visceral, respostas às provocações feitas às Autoridades, ainda não respondidas, bem como, assinalando a importância, de que, alguns questionamentos intrínsecos às Sugestões formalizadas, tem o condão de´, possivelmente, exigir a ANULAÇÃO de Decisões tomadas sem fundamentação calcada nos reais fatos objetivos e concretos.
Abraços,
Plinio Marcos

Comentário por Plinio Marcos Moreira da Rocha

Hello webmaster
I would like to share with you a link to your site
write me here preonrelt@mail.ru

Comentário por Alexwebmaster




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: